Cultura do trabalho: O que é? Porque importa? Como faz?

Nos último dias estive viajando fora do país de férias e, assim como todos nós fazemos quando nos deparamos com diferentes hábitos, me vi avaliando as diferenças do meu dia a dia. É impossível contar aqui todas as que pensei (e este blog também teria um post de viagem haha), no entanto descobri um novo tema para escrever: Cultura. Falamos aos quatro ventos que a cultura de um ambiente de trabalho é importante. Que todos devemos lutar para mantê la. Procurar sempre torna-la a cara da empresa e da equipe. Não discordo de nenhuma dessas frases, mas afinal o que realmente é cultura? 

De acordo com a Wikipédia ela pode ser definida como “todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro da sociedade”. Em outras palavras ela é tudo que um grupo de pessoas acredita, faz e prega. As leis invisíveis (ou não tão invisíveis) do nosso local de trabalho.

Quando comecei a escrever este texto pensei nos locais em que já trabalhei e o que eu julgava como uma cultura negativa e/ou positiva. Apesar disso quando comentei sobre o tema com outras pessoas, me dei conta que na verdade esse tipo de dualidade não existe. Existe apenas aquela cultura que funciona e não funciona para uma ambiente de trabalho. Tendo isso em mente não teria como não pensar que uma cultura deve ser criada com os membros da equipe ou com as pessoas que trabalham em determinada empresa/setor e para isso eu adoro a dinâmica do contrato social.2c26a6110e6698c9e209b6f51a190e23

Mas afinal o que é um contrato social? E qual seu objetivo?

Ele nada mais é do que a criação de um acordo das ações que são aceitáveis e não aceitáveis dentro de um ambiente de trabalho, tendo como objetivo promover uma discussão entre diferente pessoas da mesma equipe para ser formado um “guia” da cultura.

Como fazer?

Eu já vi diversas formas de criar um contrato social, mas costumo fazer os meus da seguinte maneira: distribuo um bloco de post its para cada participante da reunião, pedindo que eles escrevam tudo que eles julgam ser uma ação esperada pelos seus companheiros (dar exemplo) e tudo que julgam que não deveria ser feito (dar exemplo). Normalmente acordamos que de dez a quinze minutos é um tempo adequado para fazer esta primeira parte. Depois de terem escrito tudo que conseguiram pensar promovo uma discussão sobre tudo que foi escrito.

ATENÇÃO: É importante dar a mesma atenção para todos os pontos levantados e não deixar nenhum passar. Quando fazemos essa atividade pela primeira vez é natural acharmos que algumas coisas são óbvias, mas o objetivo é realmente este “colocar os pingos nos is”.

No final é estipulado uma multa para o descumprimento das regras. Algo simples, como o pagamento de um valor insignificante que será usado no próximo happy hour do time ou coisa parecida.

img_0156

Resultados obtidos:

Através deste exercício é possível garantir que as diferenças entre o time sejam discutidas em um ambiente saudável e propício. Depois que esta atividade é realizada noto que o grau de discussão e de animosidade (quando há) diminui drasticamente entre os indivíduos de um mesmo time. Por fim para todos aqueles que chegam na equipe tem a oportunidade de saber as regras “invisíveis”.

O que você achou do texto? Concorda com o que foi dito?
Conte-me o que achou!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s